sábado, 5 de dezembro de 2009

Como montar um roteiro

Acho que além de colocar roteiros e dicas de viagem, é interessante mostrar como faço isso.

Ao pensar nas próximas férias, começo um roteiro olhando o que tem na maioria dos pacotes para o destino escolhido (pode ser mais de um). Além das atrações, olho o preço total do pacote também. Depois procuro hotéis ou pousadas com preços alternativos, confesso que não gosto muito albergues e/ou quartos compartilhados. Não sou uma mochileira propriamente dita... Para melhorar a estimativa de custo, também procuro outras companhias aéreas ou outros meios de transporte.

Com esse projeto básico (sim, eu sou engenheira) começo a refinar e procurar atrações fora do roteiro  básico do "turista comum". Então entro em sites de mochileiros ou blogs.

Depois disso, se vejo que o destino é promissor e a viagem está se concretizando, compro um (ou mais) guia de viagem. Dependendo do lugar acho que um guia de conversação também vale a pena, não custa muito entender e aprender um pouco o idioma local. Nem todos falam português, inglês ou espanhol e o conhecimento de algumas palavras-chave pode ajudar em muitas ocasiões, além de ser muito simpático. Percebo que os moradores se tornam mais receptivos.

Outra questão importante é o clima, normalmente nos guias existe alguma indicação sobre isso. Não adianta marcar as férias e depois escolher um destino que não seja interessante naquela época. Após feita a escolha da época certa também é recomendável confirmar, ao fazer a mala, como está a previsão do tempo para o período da viagem.

Os endereços da Seção "Lins Úteis" são alguns exemplos de onde começo as minhas pesquisas. Também assino revistas e compro livros. Quando terminar de ler algum dos últimos que comprei, vou postar aqui algum comentário.

Os roteiros disponíveis estão na aba Roteiros.


Lagunas Altiplânicas - Atacama - Chile

Atualização:

Após perceber que este era o post mais acessado, resolvi seguir os conselhos do [Ferramentas Blog] e atualizá-lo. Como tem alguns dias em que estou sem paciência para ler um texto de muitos parágrafos, vou fazer a atualização na forma de um tutorial com tópicos (quem estiver com preguiça leia só os títulos):

1. Escolha os destinos prováveis
Selecione alguns destinos conforme os seus objetivos de viagem: descanso, estudo, geografia, história, fotografia, aventura, ecologia, etc. E verifique a possibilidade de adaptar suas férias à melhor época para visitar esses destinos, aos que não forem possível posterga-os para quando der.

2. Pesquise pacotes
Verifique o valor dos pacotes com empresas de turismo conhecidas, anote não apenas valores, mas também o que está incluído, transfer, passeios, vôos, etc. Algumas vezes os pacotes valem a pena, quando não se consegue desconto em passagens aéreas os preços dos pacotes se tornam bem atrativos, sem contar a facilidade de não se preocupar com nada. Isso deve ser avaliado, dependendo da comodidade procurada ou de quanto tempo falta para as próximas férias. Confesso que metade das vezes que fui para o nordeste os pacotes da CVC estavam valendo muito a pena e eu comprei sem pestanejar.

3. Amplie os horizontes
Saia um pouco do que está nos pacotes tradicionais, pesquise no Wikipedia, ou procure algum site: visit "xxxx", olhe no mapa se não tem algum ponto interessante entre sua casa e o destino final, ou ao redor dele. Procure atrações fora do roteiro. Na maioria das vezes temos é que escolher entre muitas opções ao se pesquisar muito. Ainda mais se for como eu que tenho interesse em todos os assuntos.

4. Pesquise hospedagem
Procure sites de busca de hotéis, hostels, apartamentos, B&B, etc. Faça uma estimativa de custo dependendo do número de dias e de pessoas, uma ou outra opção é mais vantajosa. Para mais informações sobre hospedagem visite o post: Como escolher hotel.

5. Pesquise meios de transporte
Entre em sites que pesquisam várias companhias aéreas, depois entre em cada uma para ver se não existem ofertas para dias e horários específicos. Verifique se existem outros meios de transporte, avião é muito bom quando se tem pouco tempo, mas muitas vezes em ônibus ou trem pode-se conhecer melhor o lugar ou as pessoas da região. A mesma coisa serve para metrô ou a pé! Dependendo da distância caminhar é a melhor alternativa. Para as grandes metrópoles tente descobrir se existe algum passe de ônibus/metrô/trem para vários dias, se for o caso.

6. Pesquise a culinária local
Como eu sou meio chata para comer, mas também adoro experimentar coisas novas, gosto de saber antes sobre a culinária local tanto para evitar roubadas (ou alergias) como para não deixar de experimentar algo imperdível. Estude um pouco sobre o país, pergunte a quem já foi e muito importante: descubra o preço de uma refeição. Nas minhas estimativas de custo de viagem costumo colocar até o valor médio da refeição. Porque de pouquinho em pouquinho é que o dinheiro vai embora. Já considere isso antes para não ter surpresas, ou precisar iniciar uma dieta no meio da viagem. Por exemplo, no Chile considerei US$10 por refeição, normalmente no almoço gastava um pouco mais por causa dos restaurantes turísticos indicados nos passeios, então à noite, comia empanadas, sanduíches ou comprava pão, queijos e vinhos e comia no hotel! Delícia! No final da viagem a média dos 20 dias foi US$10,10, bom chute não?

7. Estude o idioma local
Acho que é fundamental saber um pouco sobre o idioma falado no lugar a ser visitado, é o mesmo esquema da comida, evita muitas roubadas! Algumas coisas simples já ajudam e não é um conhecimento inútil, serve para a vida toda.


8. Compre um guia
Considero essencial ter um guia de viagem em mãos, resolve 90% das coisas que eu disse antes. Se for bom, dá mais dicas, tem mapas embutidos, dicionário, comidas (e bebidas) típicas e etc. Eu tenho vários e vou postar sobre eles assim que comprovar a eficácia (ou não).

9. Veja a previsão do tempo
É essencial para fazer as malas, mesmo indo para Miami, pode ser que faça frio no inverno (e faz), então previna-se! Por outro lado também evita carregar coisas desnecessárias, o que pode ser um problema em viagens com muitos deslocamentos. Quanto à mala, seja bem criterioso, se gostar de trazer lembrancinhas, reserve um lugar para elas.

10. Organize-se
Tá, não precisa ser neurótica e detalhista como eu, mas saber as datas e os horários de traslados e passeios, ter os telefones e códigos de reserva, traçar alguns itinerários para não esquecer pontos importantes não agendados, são pontos essenciais.

Alguns exemplos dos meus arquivos:
Clique aqui para fazer o download da planilha.